A verdadeira história da Branca de Neve inspirada em uma pessoa real

" Branca de Neve estava morrendo de fome e sede, mas não queria comer a comida toda de ninguém, por isso comeu um pouquinho de pão e de legumes de cada prato e bebeu um gole de vinho de cada caneca."
Olá! Quanto tempo que não apareço por aqui! Enfim estou de férias! Acabo de terminar minha faculdade e agora sou oficialmente uma cirurgiã dentista! hahaha
Bom, primeiramente Feliz Natal! Que Deus abençoe a vida de cada um de vocês! 👆💓
Hoje venho com mais uma história da série "histórias reais dos contos de fadas" e a história da vez é Branca de Neve, ou Snow White em inglês ou Schneewittchen em alemão, como vocês preferirem!

Aaaah, para quem tiver interesse, tem outros contos que vocês podem conferir no blog, é só clicar >AQUI<.

Branca de Neve é um conto de fadas originário da tradição oral alemã, que foi compilado pelos Irmãos Grimm e publicado entre os anos de 1812 e 1822, num livro com várias outras fábulas, intitulado "Kinder-und Hausmärchen" ("Contos de Fada para Crianças e Adultos"). 

Mas dizem que a história foi baseada em uma pessoa real, que os irmãos Grimm pegaram como inspiração uma mulher chamada Maria Sophia Margaretha Catharina Freifräulein von Erthal.

PS: todas as imagens utilizadas nesse post foram retiradas desse livro ao lado dos irmãos Grimm, e todas essas ilustrações foram feitas por Franz Juttner.
Sobre Maria Sophia Margaretha Catharina Freifräulein von Erthal

Um estudioso alemão com o nome de Karlheinz Bartels publicou sua teoria em 1986 sugerindo que a história de Branca de Neve foi baseada na vida de Maria Sophia Margaretha Catharina Freifräulein von ErthalNascida em Lohr am Main, Baviera, na Alemanha, em 25 de junho de 1729, ela era filha do Barão Philipp Christoph Freiherr von Erthal. Seu pai era o magistrado superior para o príncipe eleitor de Mainz em Lohr, era também encarregado das obras em espelho e vidro do eleitorado de Mainz

A mãe de Maria Sophia morreu em 1741. Quando seu pai se casou novamente em 1743, sua nova madrasta provou ser muito perversa. A madrasta, Claudia Elisabeth von Reichenstein, usou sua posição na elite para favorecer os filhos de seu primeiro casamento. Um espelho, que agora é chamado de "The Talking Mirror", era um presente do pai de Maria Sophia para sua madrasta e agora pode ser encontrado no Museu Spessart no Castelo Lohr, dizia-se na época, que os espelhos fabricados pelo Barão eram feitos de materiais tão puros que os espelhos só diziam a verdade, daí que vem a história de que o espelho da madrasta só dizia a verdade à todas as perguntas que eram feitas por ela. 

Maria realmente foi abandonada ou teve que fugir para o bosque por uma razão incerta na região da floresta de Spessart e "sobre as sete colinas", como escrito pelos Irmãos Grimm, representa as 7 colinas perto de Lohr. Há realmente uma trilha de caminhada de Branca de Neve que você pode visitar e que segue o caminho provável que ela teria tomado quando encontrou a cidade mineira de Bieber.

Havia realmente "anões" vivendo em Spessart, que eram mineiros de estatura baixa, curvados do trabalho físico ou às vezes eram até mesmo crianças que trabalhavam nessas minas.

O caixão de vidro e os chinelos de ferro são referências claras às obras em vidro e às forjas de ferro dos tempos antigos em Spessart. 

A infame fruta fatal que foi dada à bela Branca de Neve por sua madrinha malvada como uma estratagema para ser "a mais bela de todas", realmente existiu. De fato uma maçã envenenada foi dada a Maria Sophia. Essa maçã, estava embebida no suco de belladonna e matou a moça. No entanto, não houve felizes para sempre, e Maria Sophia não foi magicamente reanimada por um príncipe encantado. (esse fato eu não tenho certeza se encaixa na história real, alguns lugares não tinham nenhuma referência a como Maria Sophia morreu, só que tinha uma madrasta má, o espelho dado pelo marido e que a menina fugiu em um certo momento por uma estrada que acabava em uma estrada mineira onde tinham os mineradores de estatura baixa, mas não diz o que aconteceu depois, então não sei se essa parte da maçã envenenada dada à Maria Sophia é real ou não).

Os Irmãos Grimm viveram perto de Hanau, na Alemanha, que está a cerca de uma hora de Lohr e os irmãos nasceram 13 meses de intervalo e 60 anos depois da vida real de Branca de Neve, então certamente teriam estado familiarizados com os acontecimentos de Lohr. 


Enfim...

Não há como saber se toda essa história é real ou não, mas o fato é que realmente houve uma Maria Sophia, mas até que ponto sua história coincide com a da Branca de Neve talvez nunca saibamos. Pode ser que tudo isso foi inventado para aumentar o turismo nessa cidade na Alemanha, que recebe muitos visitantes que querem conhecer o caminho percorrido por Branca de Neve e o espelho da madrasta má, mas a verdade é que nunca saberemos.
A história dos irmãos Grimm

Bom, já que contei tooooda essa longa história, que tal terminar lendo a versão de Branca de Neve escrita pelos irmãos Grimm? Espero que gostem!

Há muito e muito tempo, bem no meio do inverno, quando os flocos de neve caíam do céu leves como plumas, uma rainha estava sentada costurando junto a uma janela com esquadrias de ébano. Costurava distraída, olhando os flocos de neve que caíam lá fora e, por isso, espetou o dedo com a agulha e três gotas de sangue caíram na neve. Aquele vermelho em cima do branco ficou tão bonito que ela pensou: "Eu queria ter um neném assim, que fosse branco como a neve, vermelho como o sangue e negro como a madeira da moldura desta janela."

Algum tempo depois, ela teve uma filha, que era branca como a neve, vermelha como o sangue e tinha cabelos negros como o ébano. Deram a ela o nome de Branca de Neve, mas, quando ela nasceu, a rainha morreu.


Um ano mais tarde, o rei casou de novo. A nova rainha era linda, mas muito orgulhosa e prepotente; tão vaidosa que não podia suportar a idéia de que alguém pudesse ser mais bonita do que ela. Tinha um espelho mágico e gostava de se olhar nele e perguntar: 
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
E o espelho respondia:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda de todo o país.
Então ela ficava satisfeita, porque sabia que o espelho dizia sempre a verdade.


Mas, à medida que Branca de Neve crescia, ia ficando cada vez mais bonita e, quando tinha sete anos, já era tão bela quanto o dia e mais bonita do que a própria rainha. Um dia, quando a rainha perguntou ao espelho:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
O espelho respondeu:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda que está aqui, mas Branca de Neve é mil vezes mais linda que todas as lindas que há por aí.


A rainha engoliu em seco, ficou amarela e verde de inveja. Cada vez que ela olhava para Branca de Neve, depois disso, tinha tanto ódio dela que seu sangue até fervia no peito. A inveja e o orgulho cresceram como ervas daninhas dentro do coração da rainha até que ela não conseguia ter um momento de sossego, nem de noite nem de dia. Finalmente, mandou chamar um caçador e disse:
- Suma com essa menina da minha frente. Quero que você a leve para o fundo da floresta e a mate. Para provar que você fez mesmo isso, traga-me os pulmões e o fígado dela. 


O caçador obedeceu. Levou a menina para a floresta, mas, quando puxou seu facão de caça e se preparava para atravessar o coração inocente de Branca de Neve, ela começou a chorar e disse:
- Por favor, querido caçador, deixe-me viver. Eu fujo para o fundo do mato e nunca mais volto para casa...
Ela era tão bonita que o caçador ficou com pena e disse:
- Está bem, menina, pobre coitada. Fuja!

Mas, para si mesmo, pensou: "Num instante os animais selvagens vão devorá-la." Porém, como nesse caso não era ele mesmo quem ia matar a criança, isso já tirava um peso enorme de cima dele. Logo depois, um filhote de javali saiu correndo do mato. O caçador meteu a faca nele, tirou os pulmões e o fígado e os levou para a rainha, como prova de que tinha cumprido sua missão. A malvada mandou o cozinheiro salgar e assar esses miúdos e comeu tudo, certa de que estava comendo os pulmões e o fígado de Branca de Neve.

Enquanto isso, a pobre menina estava sozinha no meio da grande floresta. Apavorada, ela se assustava com todas as folhas das árvores e não sabia para onde ir. Começou a correr. Correu, correu, por cima de pedras afiadas e pelo meio de moitas de espinhos e os animais ferozes passavam por ela sem fazer mal nenhum. Correu enquanto as pernas agüentaram até que, finalmente, pouco antes de anoitecer, avistou uma casinha e entrou nela para descansar.


Lá dentro tudo era pequenininho, mas limpo de fazer gosto. A mesa estava posta com uma toalha branca e sete pratinhos, cada um com sua faca, seu garfo, sua colher e sete canequinhas. Do outro lado, junto à parede, havia sete caminhas enfileiradas, cobertas por lençóis brancos imaculados. Branca de Neve estava morrendo de fome e sede, mas não queria comer a comida toda de ninguém, por isso comeu um pouquinho de pão e de legumes de cada prato e bebeu um gole de vinho de cada caneca. Depois estava tão cansada que resolveu se deitar em uma das camas, mas nenhuma servia exatamente para ela - algumas eram compridas demais, outras eram curtas demais, até que a sétima era do tamanho perfeito. Resolveu ficar por ali, rezou suas orações e caiu no sono.

Quando já estava bem escuro, chegaram os donos da casa. Eram sete anões que, todos os dias, iam para as montanhas minerar prata, com suas pás e picaretas. Acenderam suas sete velinhas e, quando tudo ficou iluminado, eles perceberam que alguém tinha estado por ali, porque algumas coisas estavam fora do lugar. O primeiro disse:
- Quem sentou na minha cadeira?
E o segundo:
- Quem comeu no meu prato?
E o terceiro:
- Quem deu uma dentada no meu pão?
E o quarto:
- Quem andou beliscando os meus legumes?
E o quinto:
- Quem usou o meu garfo?
E o sexto:
- Quem cortou com minha faca?
E o sétimo:
- Quem bebeu na minha caneca?
Depois, o primeiro olhou em volta e viu que a cama dele estava amassada, como se tivesse uma coisa cavada no meio e perguntou:
- Quem deitou na minha cama?
Os outros vieram correndo e gritaram:
- Alguém deitou na minha cama também!

Mas quando o sétimo olhou para a cama dele, viu que Branca de Neve ainda estava deitada lá, dormindo. Chamou os outros, que chegaram num instante. Começaram a gritar muito espantados, foram buscar as velas e as levantaram bem alto por cima de Branca de Neve:
- Deus do céu! - gritaram - Deus do céu! Que menina tão linda!

Ficaram tão maravilhados com ela que nem a acordaram, mas deixaram que ela continuasse dormindo na caminha. O sétimo anão dormiu com seus companheiros, uma hora com cada um e depois a noite já tinha acabado.
Na manhã seguinte, Branca de Neve acordou e, quando viu os sete anões, levou um susto. Mas eles foram muito simpáticos, com um jeito amigo e perguntaram:
- Qual é o seu nome?
- Meu nome é Branca de Neve - respondeu ela.
- Como é que você veio parar na nossa casa? - os anões quiseram saber.

Então ela contou a eles tudo o que tinha acontecido, como a madrasta queria matá-la, como o caçador poupou a vida dela, como ela tinha caminhado o dia todo até que, finalmente, encontrou a casinha deles. Os anões disseram:
- Se você tomar conta de nossa casa, cozinhar para nós, fizer as camas, lavar, costurar e cerzir as nossas roupas e deixar tudo bem limpinho e arrumado sempre, pode ficar morando conosco e nunca vai lhe faltar nada.
- Que bom! - disse Branca de Neve - Eu ia adorar...

E foi assim que ela ficou tomando conta da casa. Todas as manhãs eles saíam para a montanha, para garimpar ouro e prata e, todas as noites, voltavam para casa e ela tinha que ter feito o jantar. Mas ela passava o dia todo sozinha e os bondosos anões acharam bom avisar:
- Muito cuidado com sua madrasta. Ela vai descobrir logo que você está aqui. Não deixe ninguém entrar nunca.

Pois bem, a rainha que pensava ter comido os pulmões e o fígado de Branca de Neve, agora tinha certeza de que era a mais bonita do lugar. Foi até diante do espelho e perguntou:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
E o espelho respondeu:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda que está aqui, mas Branca de Neve, que já foi-se embora com os sete anões, na montanha onde mora, é mil vezes mais linda que todas as lindas que há por aí.

A rainha engoliu em seco. Como ela sabia que o espelho não mentia nunca, compreendeu que o caçador a enganara e que Branca de Neve ainda estava viva. Ficou então pensando sem parar, imaginando que jeito podia dar para matar a menina, porque ela tinha que ser a mulher mais linda do mundo... Se não, a inveja não ia deixá-la em paz. Afinal, acabou fazendo um plano. Sujou o rosto todo e se vestiu como se fosse uma velha vendedora ambulante, para que ninguém pudesse reconhecê-la. Com esse disfarce, atravessou as sete montanhas até a casa dos sete anões, bateu na porta e anunciou:

- Belas coisas para vender! Quem quer comprar? Bonito e barato!
Branca de Neve olhou pela janela e perguntou:
- Bom dia, minha boa velha, que é que a senhora tem para vender?
- Corpetes lindos, de todas as cores - respondeu ela. E estendeu um corpete brilhante, tecido em seda colorida.
"Esta senhora tem um ar tão honesto," pensou Branca de Neve, "não pode fazer mal se eu deixar que ela entre..." Por isso, abriu a porta e comprou o belo corpete.
- Minha filha, você está toda mal-ajambrada! - disse a velha - Venha cá, deixe que eu dê o laço direito...

Sem desconfiar de nada, Branca de Neve se aproximou dela e deixou que a velha a vestisse e amarrasse o corpete novo. Mas ela teve um gesto tão rápido e apertou tanto o cadarço do colete, que Branca de Neve ficou sem fôlego e caiu como se tivesse morrido.
- Muito bem, - disse a rainha - agora você não é mais a mais linda do mundo.

E foi embora correndo. Um pouco mais tarde, quando caiu a noite, os sete anões voltaram para casa. Ficaram horrorizados ao ver sua adorada Branca de Neve caída no chão! Ela estava tão imóvel que eles pensaram que ela estivesse morta. Levantaram-na com cuidado e, quando viram que a roupa estava apertada demais, cortaram o corpete. Com isso, ela respirou um pouquinho e, bem devagar, foi voltando à vida. Quando os anões ouviram o que tinha acontecido, disseram:
- É claro que essa velha vendedora era a rainha malvada e mais ninguém. Você tem que ser mais cuidadosa e não pode deixar ninguém entrar em casa.
Quando a malvada chegou em casa, foi direto para a frente do espelho perguntar:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
E o espelho respondeu, como sempre:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda que está aqui, mas Branca de Neve, que já foi-se embora com os sete anões, na montanha onde mora, é mil vezes mais linda que todas as lindas que há por aí.
Quando ouviu isso, a rainha sentiu um aperto tão grande no peito que parecia que o
sangue ia ferver, pois compreendeu que Branca de Neve ainda estava viva.
- Mas não faz mal... - disse - Desta vez vou pensar em alguma coisa que vai mesmo
destruir você de uma vez por todas...
Com a ajuda de uns encantamentos mágicos que conhecia, fez um pente envenenado.


Depois se disfarçou de novo, como se fosse outra velhinha. E, mais uma vez, atravessou as sete montanhas até a casa dos sete anões, bateu na porta e disse:
- Belas coisas para vender! Quem quer comprar? Bonito e barato!
Branca de Neve olhou pela janela e disse:
- Vá embora! Não posso deixar ninguém entrar.
- Mas você pode olhar, não pode? - perguntou a velha, mostrando o pente.
A menina gostou tanto dele que esqueceu de tudo e abriu a porta. Combinaram o preço e aí a velha disse:
- Agora eu vou pentear você direitinho.

Sem desconfiar de nada, Branca de Neve ficou bem quieta, deixando que a velha a penteasse, mas, assim que o pente tocou seu cabelo, o veneno fez efeito e ela caiu desmaiada, como se estivesse morta.
- Aí está, minha beleza, - disse a malvada - agora vai ser o seu fim.

E foi-se embora. Mas, felizmente, a noite já vinha caindo e logo os anões chegaram em casa. Quando viram Branca de Neve caída no chão como se estivesse morta, imediatamente desconfiaram da madrasta. Examinaram Branca de Neve com cuidado e encontraram o pente envenenado. Assim que o arrancaram dos cabelos dela, a menina despertou e contou como tudo tinha acontecido. Mais uma vez, eles avisaram que ela precisava ter cuidado e não devia abrir a porta para ninguém. Quando a rainha chegou ao castelo, foi direto para o espelho e perguntou:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
O espelho respondeu do mesmo jeito que antes:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda que está aqui, mas Branca de Neve, que já foi-se embora com os sete anões, na montanha onde mora, é mil vezes mais linda que todas as lindas que há por aí.

Quando ouviu o espelho dizer isso, ela tremeu e se sacudiu de raiva, gritando:
- Branca de Neve tem que morrer! Mesmo que isto custe a minha própria vida.
Então ela foi até um quarto secreto e isolado onde ninguém entrava, nem se sabia que existia e fez uma maçã muito venenosa. Tinha um aspecto tão bonito por fora, branca com faces vermelhas, que qualquer pessoa que a visse ia querer comer. Mas qualquer um que comesse um pedacinho ia morrer. 


Quando a maçã ficou pronta, ela sujou bem o rosto e se disfarçou de camponesa. E, mais uma vez, atravessou as sete montanhas até a casa dos sete anões. Bateu na porta e Branca de Neve pôs a cabeça para fora da janela.
- Não posso deixar ninguém entrar. Os anões não querem.
- Não faz mal - disse a camponesa - eu só quero me livrar dessas maçãs. Tome. Eu lhe dou uma de presente.
- Não posso - disse Branca de Neve - não posso aceitar nada.
- Você está com medo de que esteja envenenada? - perguntou a velha - Bobagem... Veja, vou cortar a maçã pelo meio. Você fica com a banda vermelha e eu fico com a banda branca.

Mas a maçã tinha sido tão bem feita que só a banda vermelha é que tinha veneno. Branca de Neve estava morrendo de vontade de comer a maçã e, quando viu a camponesa dando uma dentada na fruta, não conseguiu resistir. Estendeu a mão e pegou a metade envenenada. Assim que deu uma mordida, caiu morta no chão. A rainha deu um olhar cruel, uma gargalhada terrível e disse:
- Branca como a neve, vermelha como o sangue, negra como o ébano... Desta vez os anões não vão conseguir reviver você...
E, quando chegou ao castelo, perguntou ao espelho:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
E o espelho finalmente respondeu:
- Senhora Rainha, tu és a mais linda de todo o país.

Então seu coração invejoso ficou sossegado - se é que um coração invejoso pode ficar sossegado. Quando os anões voltaram para casa ao cair da noite, encontraram Branca de Neve caída no chão. Não saía nem um pouco de hálito de sua boca e ela estava morta realmente.

Eles a levantaram, procuraram bem para ver se encontravam alguma coisa venenosa, afrouxaram as roupas dela, despentearam o cabelo, lavaram a menina com água e vinho, mas não adiantou nada - sua bem-amada estava morta e morta ficou. Puseram-na numa maca, sentaram-se todos em volta, choraram e se lamentaram durante três dias. Depois iam enterrá-la. Mas ela ainda tinha aspecto fresco e cheio de vida e continuava com suas lindas bochechas vermelhas.
- Não podemos botar essa menina na terra escura - disseram.

Então fizeram um caixão transparente, de vidro, de modo que ela pudesse ser vista de todos os lados. Deitaram Branca de Neve no caixão e escreveram o nome dela em letras de ouro, acrescentando que ela era filha de um rei. Depois puseram o caixão no alto de uma colina e um deles sempre ficava ao lado, montando guarda. E os pássaros foram chegando e também choraram por Branca de Neve; primeiro uma coruja, depois um corvo e depois uma pomba.

Branca de Neve ficou no caixão por muitos e muitos anos. Ela não se decompunha e parecia dormir, continuando sempre branca como a neve, vermelha como o sangue e negra como o ébano. Até que um dia um príncipe veio por aquela floresta e parou para passar a noite junto à casa dos sete anões. Viu o caixão no alto da colina, viu a linda Branca de Neve dentro dele, leu as letras de ouro no caixão. Então, disse aos anões:
- Eu quero esse caixão, por favor. Pagarei por ele o quanto vocês pedirem.
Mas os anões responderam:
- Não nos separaríamos dele nem por todo o dinheiro do mundo.
- Então, por favor, me dêem o caixão, - insistiu ele - porque não vou poder continuar vivendo se não puder ficar olhando Branca de Neve. Vou honrá-la e respeitá-la para sempre.

Aí os anões ficaram com pena e resolveram dar o caixão a ele. Quando os criados do príncipe o levantaram e foram carregá-lo nos ombros, um deles tropeçou numa raiz. Com o tropeção, o pedaço envenenado da maçã que ela havia comido se soltou da garganta, Branca de Neve desengasgou, abriu os olhos, levantou a tampa do caixão, sentou e voltou à vida.

- Onde é que eu estou? - perguntou.
- Está comigo! - respondeu o príncipe, todo alegre.
Então ele contou o que tinha acontecido e disse:
- Eu amo você mais do que qualquer outra coisa no mundo. Venha comigo até o
castelo de meu pai e vamos nos casar.

Branca de Neve também se apaixonou pelo príncipe e foi com ele. Começaram logo os preparativos para uma festa maravilhosa de casamento. A madrasta malvada de Branca de Neve também foi convidada. Depois de se arrumar toda, com suas roupas mais bonitas, foi para a frente do espelho perguntar:
- Espelho, espelho, vem já e me diz, quem é a mais linda de todo o país?
O espelho respondeu:
- Senhora rainha, tu és a mais linda que está aqui, mas a jovem rainha é mil vezes
mais linda que todas as lindas que há por aí.


Ouvindo isso, a malvada xingou e amaldiçoou. Ficou tão horrorizada que não sabia o que fazer. Primeiro não queria ir ao casamento, mas não podia resistir à curiosidade de ver a jovem rainha. No momento em que entrou no salão, reconheceu Branca de Neve e ficou tão apavorada que nem conseguiu se mexer. Mas já tinham mandado botar dois sapatinhos de ferro na brasa. Alguém os tirou de lá com umas tenazes e os pôs diante dela, que foi obrigada a calçar os sapatinhos em brasa e dançar até cair morta.







Referências
http://talesofsheaves.blogspot.com.br/2014/10/snow-white-outfit-fairytale-history.html
http://www.grimmstories.com/pt/grimm_contos/branca_de_neve
http://thefairytaletraveler.com/2014/07/31/explore-real-snow-white-destinations-germany/

14 comentários. Clique aqui para comentar também.:

Luiza Helena Vieira disse... [Responder comentário]

Oi, Patricia!
Mulher, eu adoro saber a origem desses contos de fadas. A gente fica sabendo porque floreiam tanto eles hahhaha
Beijos
Balaio de Babados
Participe do Natal Literário
Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias
Participe do Sorteio de Final de Ano

Queila Silsan disse... [Responder comentário]

Que legalll
Diferente hein
Parabéns pelo post,amei
Bjinhos
Seguindo seu blog ja
Só os Loucos Sentem

Day Morais instagram: lendo1bomlivro disse... [Responder comentário]

Adorei saber da verdadeira origem dessa história! E que talvez tenha existido realmente uma "Branca de neve" é bem legal, eu nunca tinha ouvido falar, pena que a história da Sophia não tenha um final feliz!
Bom, adorei teu blog e tô seguindo aqui!
Adoraria saber mais de outras historias e vou acompanhar... Haha Beijos!

www.lendo1bomlivro.com.br
@lendo1bomlivro

Amiga Delicada disse... [Responder comentário]

Amém!!! Finalmente descobri a historia original :D esses dias no trabalho do nada a gente começou a falar sobre esse assunto e me contaram uma história da chapeuzinho vermelho que era totalmente diferente!

Bjinhos,
❥ AmigaDelicada.com.br

Magia é Sonhar disse... [Responder comentário]

Amei seu blog! Achei muito fofo! Já estou até seguindo...

Tenho um blog literário e gostaria que você conhecesse e quem sabe se você gostar, poderá me ajudar, seguindo de volta.

De qualquer forma, amei seu blog demais!

http://www.magiaesonhar.com.br/

Tony Lucas disse... [Responder comentário]

Oi, Patricia! Tudo bem? Socorro! Eu morria e não sabia que a história da Branca de Neve foi inspirada numa história verídica! Pobre coitada dessa Maria, né? :/

Abraço

https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

Wanessa disse... [Responder comentário]

Não sabia dessa história Patrícia, bem legal acabei conhecendo hahah
Feliz Ano Novo!
bjoka http://diadebrilho.com

Loysla Lara disse... [Responder comentário]

Olá, tudo bem?
Eu não sabia que a história da Branca de Neve tinha um fundo de verdade!! Adorei o seu post, muuito bom mesmo. Parabéns nova cirurgiã dentista, sucesso na sua carreira!
Beijão,
https://teattimee.blogspot.com.br

Jessica Andrade disse... [Responder comentário]

Olá,
Achei muito bacana o post, não sabia que a história talvez tenha se originado dessa.
Adorei.
Bjs
Diário dos Livros
Siga o Twitter

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

@Loysla LaraÉ bem interessante a história né! Não sabia disso tbm, mas como sempre gostei de contos de fadas, fui pesquisar mais sobre a Branca de Neve, em nenhum site brasileiro encontrei referências à essa história, mas vários sites estrangeiros tem informações bem interessantes!
Obrigada pelos parabéns, estou realmente muito animada!
Beijo!

Sil disse... [Responder comentário]

Olá, Patrícia.
parabéns por ter se formado. Eu acho que toda história tem um fundinho de verdade. Acredito no que dizem que no mundo nada se inventa, tudo se copia, então acredito que todas as história são inspiradas em algo ou alguém. por isso pode ser que a história seja verdade mesmo hehe.

Blog Prefácio

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

@Sil Obrigada!!
Também acredito que toda história tenha um fundo de verdade. Acho que nunca saberemos até que ponto a história é verídica, mas que tem relação eu acredito que tenha sim!
Beijo!

Bia Gonçalves disse... [Responder comentário]

Oi Patrícia! Eu fiquei completamente presa aqui. Adoro saber sobre a origem de conto de fadas, e a forma como fez, colocando o original aqui, ficou perfeita e única.
Parabéns!
Beeijos
http://lua-literaria.blogspot.com.br/

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

@Bia Gonçalves Obrigada Bia, a minha intenção é essa mesmo! hahaha Tem outros contos aqui no blog, se vc se interessar pode ler todos clicando em "contos fadas" la no menu. Beijo e volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Topo